Connect with us

Entretenimento

“Dancing With The Devil…The Art of Starting Over”: tratando de temas pesados, Demi Lovato entrega álbum leve, criativo e 100% sincero

Published

on

Review "Dancing With The Devil...The Art of Starting Over": tratando de temas pesados, Demi Lovato entrega álbum leve, criativo e 100% sincero
Divulgação

Eu perguntei se alguém poderia me ouvir, enquanto dançava com o diabo. E por causa disso, eu estava cega, mas agora eu vejo. Deixe-me te levar a uma jornada que tira a pele do meu passado e personifica a pessoa que sou hoje. Esta é a arte de recomeçar.” – “Intro”, Demi Lovato.

Depois de três episódios chocantes em seu mais novo documentário, “Dancing With The Devil“, Demi Lovato lança nesta sexta-feira (2) seu sétimo álbum de estúdio. “Dancing With The Devil… The Art Of Starting Over“ vem como uma “trilha sonora não oficial” da produção lançada no Youtube. Com letras sinceras e profundas, a cantora recria sua trajetória com os acontecimentos após “Tell Me You Love Me”, disco antecessor do novo projeto, lançado em 2017.

Quando apresentou a faixa “Sober” – que não entrou neste sétimo álbum – em junho de 2018, Demi Lovato revelou que não estava mais sóbria. Um mês depois a cantora foi internada após sofrer uma overdose que a causou três derrames, um ataque cardíaco, falência de órgãos e problemas de visão que carrega até hoje. Dessa fato em diante, o que aconteceu com a artista encontra-se registrado em forma de 19 faixas, sendo 16 delas, escritas pela própria Demi.

+“Dancing with the Devil”: o que esperar do novo documentário de Demi Lovato?

Antes de adentrar à história do seu renascimento, é aconselhável colocar os fones de ouvido, aumentar o som e não boicotar nenhuma música, assim como a ordem de cada uma delas. “Se você seguir a tracklist na ordem, vai realmente ver como a minha vida tem se desenrolado desde o ano passado” , diz a cantora. Tratando do vício, de distúrbios alimentares, de sua sexualidade e até de um relacionamento que deu zero certo, essa é a versão “nua e crua” de Demi Lovato.

“Dancing With The Devil… The Art of Starting Over” inicia com a lançada em 2019,“Anyone”, seguida de “Dancing With The Devil”, lançada em 26 de março deste ano. Dizer que Lovato tem vocais poderosos é chover no molhado, mas já na duas primeiras canções, quase como um grito de guerra, a cantora entrega potência, coerência e, no caso da segunda, uma produção impecável, com instrumentais bastante trabalhados, mostrando para o que veio.

Ela ainda dedica uma canção à irmã Madison na terceira faixa do álbum. Apenas com o piano, “ICU – Madison´s Lullabye” é realmente como uma canção de ninar e um pedido de desculpas, não só para a irmã, mas também para todos que sofreram com a hospitalização de Demi, sejam familiares ou fãs.

Eu não queria que seus olhos inocentes me vissem onde estou, tentei te proteger e te manter longe dos meus erros mas eu estou aqui, pra tudo que você precisar” – ICU – Madison´s Lullabye.

Esta é responsável por encerrar o storytelling da overdose sofrida por Demi. Mesclando a letra das três faixas anteriores em “Intro”, Demi dá início à jornada de mostrar seu renascimento da melhor forma possível: através de músicas extremamente sinceras e profundas, que trazem melodias criativas e leves, aliviando o peso dos temas que o álbum traz, mostrando que, ao contrário do que “haters” pensam, ela consegue transformá-los em músicas que transmitem uma boa vibe para quem ouve.

“The Art of Starting Over” e “Lonely People” chegam com uma melodia dançante e bem diferente do início do álbum. Flertando mais com o pop, Demi tem êxito na vibe tranquila e inocente que deseja transmitir, demonstrando que o peso ficou mais para as canções anteriores. Em “The Way You Don’t Look at Me” e “Melon Cake” ela oferece relatos claros de seu tempo trabalhando com gerentes que controlavam o que ela comia e quando ela se exercitava, tentando deixá-la “do tamanho de uma Barbie”. A cantora faz isso ainda de forma leve, com vocais suaves na primeira e uma melodia cativante na segunda.

“E agora eu estou dizendo que não há mais bolo de melão em aniversários, finalmente posso fazer as coisas do meu jeito”– Melon Cakes.

Demi Lovato acertou em cheio nas colaborações que trouxe para o álbum. É inegável que as quatro faixas – sendo três delas colaborações com cantoras femininas – são algumas das mais fortes e bem produzidas do álbum. Todos os artistas casaram muito bem com o estilo e voz da cantora, que, convenhamos, possui uma potência que já se sustenta muito bem sozinha.

Em “Met Him Last Night”, composta exclusivamente para Demi Lovato por Ariana Grande, presenciamos o encontro de duas vozes potentes envoltas a um instrumental poderoso, que parece flertar um pouco com o estilo trap em alguns versos. Com um refrão bastante comercial, a faixa se afasta um pouco do storytelling contado por Demi, por não ter sido escrita pela mesma. No entanto, possui uma produção que se encaixa bastante com as demais canções.

“What Other People Say” segue esse sentido da faixa dita anteriormente. Escrita por Sam Fischer, quem também divide os vocais com Demi, não soa tão pessoal, mas ainda sim casa com a estética que a cantora quer trazer. “Easy”, com Noah Cyrus, revela-se como uma balada poderosa e impressiona com o casamento das duas vozes presentes em uma verdadeira orquestra de piano e violinos.

+Review “Revelación”: Selena Gomez entrega sensibilidade e reggaeton dançante em lançamento ousado

“My Girlfriends Are My Boyfriend”, com Saweetie, mostra ainda um lado mais feminista da cantora, que valoriza mais as amigas a um namorado, por exemplo. Os versos da convidada são um complemento interessante e rico à canção. Demi ainda abraça abertamente sua pansexualidade na divertida “The Kind of Lover I Am”. A canção é um marco em sua trajetória, onde pela 1° vez cantou abertamente sobre amar homens e mulheres.

Duas faixas, “15 minutes” e California Sober” possuem melodias mais genéricas e não tão originais quanto o restante do álbum. Um tanto quanto destoadas, elas vencem pelas composições, essenciais para a história que o álbum quer contar. A primeira, claramente remetida ao relacionamento que a cantora teve com Max Ehrich, de quem foi noiva em 2020, fala sobre como foi usada por alguém que só buscava seus 15 minutos de fama.

Orando em Malibu, orando em Malibu, como você pôde, como você pôde?“, canta referindo-se ao episódio em que Max apareceu rezando em uma praia logo após o término com Demi, e foi clicado por todos os tabloides.

Sempre se colocando em primeiro lugar, poderia ter sido o seu futuro, mas você nem se importava comigo assim” – 15 minutes.

Já a segunda, é extremamente necessária para mostrar a fase atual da cantora. Nela, Demi conta que está adepta à maconha para relaxar e meditar, ao mesmo tempo em que enfatiza que isso não é retroceder no seu tratamento e que sua recuperação continua.

“Carefully”, “Butterfly” e o cover de “Mad World” são bem intimistas e trazem um lado suave de Demi. As duas canções originais ainda mostram uma certa fragilidade da cantora, mesmo que sem deixar de mostrar a evolução a qual sempre buscou, mostrando que está completamente ciente do que tem a oferecer.

Demi ainda faz um encerramento perfeito com “Good Place”. “Há uma música bem no final do álbum chamada ‘Good Place’ e eu acho que essa letra realmente ressoa mais comigo. Ela diz ‘agora estou em um bom lugar, não preciso mais salvar a cara'”, disse em entrevista.

Escolhi drogas invés de amor, dinheiro invés de confiança e depois de muito trabalho e muita dor, eu estou em um lugar melhor.” – Good Place.

No geral, Demi Lovato entrega um álbum bastante trabalhado nas letras das diversas histórias que quer contar, com produções que também remetem bastante à canções pop e eletrônicas dos anos 70 e 80, além de uma inegável pitada de Christina Aguilera nas faixas mais focadas no piano e potência vocal. “Dancing With The Devil…The Art of Starting Over” se encerra como uma narrativa chocante, sensível, louvável e que vem com um final feliz. Ou pelo menos, um final que parece agradar Demi Lovato.

Ouça o álbum completo:

Entretenimento

Demi Lovato e Normani serão juradas do reality show “Legendary”, da HBO Max

Published

on

Demi Lovato e Normani serão juradas do reality show "Legendary"
Reprodução/ Instagram

Para tudo! Teremos Demi Lovato e Normani na segunda temporada do aclamado reality show “Legendary”, da HBO Max, que tem previsão de estreia para o dia 6 de maio. As duas serão juradas convidadas da produção, que tem Megan Thee Stallion como principal técnica. O cantor Adam Lambert também fará parte dos novos episódios.

No reality, times competem entre si em provas de dança e apresentações artísticas. Nesta sexta-feira (16), “Legendary” ainda ganhou um teaser que dá alguns spoilers da nova temporada. Além de Normani, Demi e Adam, Tiffany Haddish, Taraji P. Henson, Amiyah Scott e Nicco Annan se revezam entre os técnicos convidados.

Veja:

Vindo diretamente do mundo underground da comunidade ballroom, as equipes de voguing (conhecidas como Casas) devem competir em bailes inacreditáveis para conquistarem o status de “LENDÁRIA”. Quem já está ansiosa?

Continue Reading

Entretenimento

Sabrina Carpenter é confirmada como protagonista de “Emergency”, novo filme de comédia

Published

on

Sabrina Carpenter é confirmada como protagonista de "Emergency", novo filme de comédia
Reprodução/ Instagram

Sabrina Carpenter vai voltar às telinhas com o mix de terror e comédia “Emergency”.  Produzido pela Amazon Prime e a Temple Hill, o filme terá a artista dividindo o protagonismo com RJ Cyler (Power Rangers). As informações foram divulgadas pelo Deadline nesta sexta-feira (16).

Com direção de Carey Williams, o filme é baseado em um curta de mesmo nome ganhador do Prêmio do Júri no Festival de Sundance em 2018. A trama acompanha um grupo de estudantes universitários que estão prontos para uma noite de festa, mas que se encontram num dilema de ligar ou não para a polícia depois que uma situação incomum acontece. Completam o elenco os atores Donald Watkins e Sebastian Chacon.

As gravações ainda não começaram e “Emergency” não possui uma data de estreia.

Continue Reading

Entretenimento

Família Gucci não gostou de “House of Gucci”, filme com Lady Gaga: “Estamos realmente desapontados”

Published

on

Patrizia Reggiani critica protagonismo de Lady Gaga em “House of Gucci”: “Não acho certo eu não ter sido contatada”
Reprodução/ Instagram

Lady Gaga está atualmente trabalhando com Adam Driver no filme House of Gucci e as gravações do longa já começaram na Itália. A produção contará a história do assassinato de Maurizio Gucci, planejado pela esposa Patrizia Reggiani. No entanto, a família da vítima não  gostou nada da obra e teceu duras críticas a ela em uma entrevista publicada na última quinta-feira (15), pela Associated Press.

Patrizia Gucci, prima de segundo grau de Maurizio, revelou estar preocupada que o filme se intrometa na vida privada da família. “Estamos realmente desapontados. Falo em nome da família. Eles estão roubando a nossa identidade para ter lucro”, disparou. Ela ainda revelou que tentou contato com Ridler Scott, diretor da produção, mas que não obteve resposta.

Patrizia também criticou o elenco escolhido: “Meu avô era um homem muito bonito, como todos os Guccis, e muito alto, de olhos azuis e elegante. Ele está sendo interpretado por Al Pacino, que não é bem alto. As fotos do set o mostram gordo, baixo, com costeletas, muito feito. Vergonhoso“. Ela também disse que se sente ofendida com a escalação de Jared Leto, intérprete de Paolo Gucci, seu pai.

Lembrando que Patrizia Reggiani também já declarou não gostar de ser interpretada por Lady Gaga! Em uma entrevista à ANSA, ela revelou: “Estou um tanto aborrecida pelo fato de Lady Gaga estar me interpretando no novo filme de Ridley Scott sem sequer ter tido a perspicácia e a sensibilidade de vir me encontrar.”

“Não é por uma questão econômica, não vou tirar um centavo do filme, mas de bom senso e respeito. Todo bom ator deve primeiro conhecer a personagem que vai representar”, continuou. Reggiani deixou claro que, para ela, era fundamental que a cantora a conhecesse para que ela pudesse ser retratada da forma correta no filme.

“Não acho certo eu não ter sido contatada quando vejo as fotos de Lady Gaga entrando no camarim escrito ‘Patrizia’ – e digo isso com toda a simpatia e apreço que tenho por ela”, afirmou. “Patrizia Reggiani é muito mais do que ela leu e viu, ou o que os roteiristas lhe disseram. Eu mesma, ainda hoje, não terminei de me descobrir, e continuo fazendo isso dia após dia […] Quem pode me conhecer e conhecer a minha história melhor do que eu?”, completou.

 

Continue Reading
Advertisement
Combinação de Nomes

Todos os nomes possuem significados e juntos formam uma combinação única!

Digite nos campos abaixo e descubra nos mínimos detalhes.

 
Combinação de Signos

Confira a combinação de signos para todos do zodíaco

Descubra quais signos combinam no amor, sexo, trabalho e amizade. Faça quantas combinações desejar e compartilhe!

Mais Lidos

Copyright © 2020 - Website produzido por Perfil.com Ltda. Uma parceria de conteúdo Perfil Brasil e Editora Alto Astral. Este site é parceiro do UOL Entretenimento.