Connect with us

Comportamento

Criadora do “Vulva Negra”, 1° projeto feminista raiz e negro do Brasil, Yasmin Morais conta tudo sobre publicação de novo conto

Published

on

Exclusiva: criadora do "Vulva Negra", primeiro portal feminista radical e negro do Brasil, Yasmin Morais fala sobre a publicação de seu novo conto
Rawpixel/Andreza Mona

Yasmin Moraes é, de fato, uma pessoa ilustre. Escritora, atriz, discente em Jornalismo na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2017, ela estreou no espetáculo De Ponta Cabeça: Baobá e tornou-se integrante do projeto literário Escritoras Negras da Bahia. Em 2018, deu origem a um dos mais importantes projetos feministas radicais e negros do Brasil, o Vulva Negra – que já conta com mais de 20 mil seguidores nas redes sociais.

+ Racismo e algoritmos: a realidade preconceituosa por trás da lógica da timeline

Yasmin também é integrante da antologia literária Tributo aos Orixás, publicada pela Darda Editora e integrou igualmente a coletânea fotográfica e literária Profundanças 03. Ela é a primeira finalista do Prêmio Malê de Literatura 2019 e uma das vencedoras do 1ª Prêmio Neusa Maria de Jornalismo.

+ Cantinho Literário Todateen: indicações de livros para começar seu ano novo

Além de ser uma figura influente que discute e aborda a ressignificação feminina, dando ênfase à vivência das mulheres pretas, Yasmin – que escreve poesia mas que também é “irremediavelmente apaixonada pela prosa” – terá seu primeiro conto, Luana, publicado na primeira coletânea literária do Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras, em parceria com a Andarilha Edições, que escreveu quando tinha dezessete anos.

Em entrevista exclusiva à todateen, Yasmin discorreu sobre suas motivações nas redes sociais, deu detalhes sobre seu novo lançamento e discutiu, acima de tudo, sobre a arte que corre em suas veias.

Confira!

Você é conhecida pelo primeiro portal feminista radical e negro do Brasil, o Vulva Negra. Como o projeto começou?

Originalmente, o projeto Vulva Negra foi fundado em dezembro de 2018. Entretanto, atuo no segmento feminista radical desde 2017, após ter ingressado na revista QG Feminista, minha primeira casa no âmbito feminista radical. Nesta coletiva, tive acesso à inúmeras obras teóricas feministas e conhecera algumas mulheres inspiradoras, que foram essenciais em minha formação feminista. Produzo artigos para a revista QG Feminista há alguns anos. Entretanto, a baixa incidência de mulheres pretas, mestiças e indígenas nos coletivos feministas radicais, sempre gerou imenso desconforto. Afinal, a constituição da classe feminina brasileira dá-se a partir da participação integral de mulheres racializadas que carecem de ser pauta central em movimentos que propõem a emancipação feminina. Pois, somente através de uma avaliação social e teórica multifatorial, que aborde não somente a opressão com base no sexo e na classe, mas sim, igualmente nas questões étnico-raciais, poderemos estruturar um panorama verdadeiramente plural e congruente com a experiência de mulheres brasileiras.

E, com base neste desejo, fundei o projeto Vulva Negra. Pois, mulheres racializadas foram historicamente invisibilizadas nas produções teóricas e organizações feministas radicais, gerando um cenário no qual jovens negras feministas radicais não estivessem seguras ou politicamente representadas. Após o surgimento do Projeto Vulva Negra, inúmeras mulheres racializadas estão a declarar-se feministas radicais e a iniciar seus próprios projetos. Perceber a importância política do Projeto Vulva Negra oferece-me alegrias infindáveis. Atualmente, somos mais de vinte e quatro mil — não poderia estar mais feliz!

Você sempre teve interesse em divulgar informações e propagar conhecimento na internet?

No way! (risos). Anterior a filiar-me à QG Feminista, somente utilizava as redes sociais a fim de manter contato com amigos, família — e paralelamente mantinha o blog Minha Doce Paranoia, site no qual publico poemas, contos e crônicas desde 2015 — entretanto, jamais houvera cogitado utilizar as redes sociais no intuito de propagar o conhecimento que possuo. Sempre fui imensamente enamorada da produção de conhecimento e do universo acadêmico. Ávida leitora que sempre fui, ainda na adolescência devorava obras literárias, sociológicas, filosóficas e posteriormente aprofundei-me nos estudos feministas e étnico-raciais. Contudo, jamais houvera considerado a possibilidade de transformar todo aquele capital intelectual em produções acessíveis e partilháveis, até o momento em que iniciei os primeiros artigos na QG Feminista e tornara-me completamente fascinada pela ideia de afetar positivamente a experiência de vida de outras mulheres através de meus escritos.

+ Conheça 5 mulheres negras que arrasam por trás das câmeras

Na sua opinião, qual a importância de termos cada vez mais mulheres negras compartilhando suas experiências?

Primeiramente, faz-se necessário reconhecer o fato de que mulheres negras constituem os mais variados segmentos da sociedade brasileira e ofertaram contribuições estimáveis às ciências, políticas, cultura, artes e educação. Em minha concepção, uma das maiores vitórias quanto ao crescimento da visibilidade alcançada por mulheres negras, trata-se de repararmos aquilo que a autora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie intitula “história única”. Durante séculos, mulheres negras foram estereotipadas, violadas e alocadas em espaços sociais subalternos. A história hegemônica insiste em nos categorizar como mulheres de segunda classe, enquanto o Estado brasileiro — concomitantemente patriarcal, racista e classista — lança o seu jugo sobre nós. Ainda somos as maiores vítimas de violência sexual e doméstica. Ainda enfrentamos dificuldades sistemáticas a fim de ingressar no mercado de trabalho. Ainda somos as maiores vítimas de hiperssexualização infantil.

Ademais, somos plurais. Versamos a respeito de inúmeras temáticas e possuímos personalidades distintas e singulares. Mulheres são muito mais do que o imbricamento das opressões sociais. Deste modo, quando as mulheres negras finalmente deixam de ser concebidas enquanto objetos de estudo, mas sim, tornam-se agentes de sua própria história, percebemos o despontar de uma nova onda revolucionária.

Você já vê diferenças, conversando com suas seguidoras, por exemplo, do impacto que o Vulva Negra causa na vida delas?

Sim, felizmente! Desde a sua fundação em 2018, o projeto Vulva Negra tem sido acolhido pela comunidade feminista radical e por demais segmentos, como feministas negras e ativistas antirracistas. O público possui uma diversidade encantadora. Meninas, adolescentes, jovens e mulheres maduras de todas as idades e etnias, acompanham o projeto e partilham as suas experiências através do Direct, comentários e depoimentos. A felicidade é-me sempre imensa. Pois, o objetivo do Vulva Negra sempre será ofertar conhecimento e apoio à classe feminina. Tenho priorizado mulheres em todos os segmentos da minha vida e faz-me muito bem. Dentre as inúmeras histórias, as mais marcantes se tratam dos depoimentos de mulheres que conseguiram libertar-se da violência doméstica, denunciar seus agressores, aprender mais a respeito da teoria feminista radical e, sobretudo, estar mais próximas de sua emancipação.

Pois, como dizia a feminista e poeta Audre Lorde: “Não serei livre enquanto alguma mulher for prisioneira, mesmo que as correntes dela sejam diferentes das minhas”.

Rawpixel/Andreza Mona

Você também é escritora e apaixonada por literatura. Como isso começou?

Esta história se iniciou quando ainda era um ser em formação no útero de minha mãe. Segundo ela, ao chegar do trabalho, o meu pai sempre lia trechos da obra Dom Quixote para mim. E eu, como uma boa leitora, simplesmente adorava e movia-me sem parar! (risos) Desde então, mantenho uma paixão singular pela Literatura. Costumava ler inúmeros livros durante a adolescência, ademais, produzia poemas e escrevia as tão famosas fanfictions que partilhava na web. Aos quinze anos decidi fundar o meu blog literário, no qual partilhava poemas e contos autorais. E, a partir disso, passara a investir massivamente em minha carreira literária. Escrevia e realizava exercícios literários diariamente. Até os dias atuais, mantenho os cadernos recheados de contos, poemas e projetos de futuros livros os quais ainda planejo escrever e lançar. Sempre pulsei, respirei e transpirei Literatura. Penso que isto é parte do meu lugar no mundo.

Qual sua parte favorita de escrever?

A parte em que minha alma ganha vida. Sempre afirmo que, anterior a qualquer título, sou uma escritora. Esta é uma dentre as essências da minha alma. Escrever é o propósito que oferto à existência diariamente. Adoro escrever como adoro respirar. Em minha concepção, a Literatura trata-se de uma das maiores experiências estéticas da vida. Sinto-me tão viva quando estou escrevendo. A escolha das palavras, a aplicação das técnicas que estudo e desenvolvo há anos, os cenários, as imagens, — até mesmo as temidas fichas de personagens —, a crítica. Todo o processo! Escrever torna-me vívida. Adoro a possibilidade de edificar novos mundos e fascinar outros seres humanos através da Literatura.

+ Exclusiva: Juliana Valentim fala sobre escravidão e racismo em seu novo livro “O Abrigo de Kulê”

Além de poeta, você também se dedica à prosa e terá um conto publicado! Quer falar um pouco sobre ele?

Sim! Apesar de aparentemente dedicar-me mais à poesia, sou uma escritora irremediavelmente apaixonada pela prosa. As minhas primeiras experiências literárias públicas surgiram a partir da produção de romances e suspenses publicados no submundo da Web. (risos) A obra a ser publicada na primeira coletânea literária do “Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras”, será “Luana”. Escrevi este conto aos dezessete anos e, até o momento, se trata de um dos meus favoritos. Na história, uma mulher vê-se perdida em meio aos seus infindáveis afazeres e busca, incansavelmente, um sentido que posteriormente descobre estar dentro de si. Mesmo após os anos, a história ainda me agrada. Valorizo imenso esta característica atemporal da produção literária. Ademais, será uma honra compor a primeira coletânea literária deste projeto encantador!

Como você está se sentido em saber que terá um conto publicado?

Sinto-me radiante, em um bosque florido e encantado, indiscutivelmente viva! (risos). Cada publicação possui a sua faceta mágica e profundamente pessoal. Afinal, dedico-me imenso a todas as obras que trago ao mundo. Ao contrário do que alguns costumam pensar, a escritora não se trata de uma figura solitária e egoísta. Se escrevemos, o fazemos a fim de atingir positivamente o coração de cada leitora e leitor. Pois, a Literatura possui em si este poder quase cósmico de nos trazer à vida através dos meios mais radiantes possíveis. Deste modo, a experiência da publicação, — por mais que possua a sua faceta igualmente burocrática — carrega consigo uma magia singular. Esta experiência está a ser imensamente satisfatória e surpreendente, pois, será o meu primeiro conto publicado em uma coletânea. (rindo como se tivesse borboletas no estômago). Anterior a essa coletânea, alguns de meus poemas já haviam sido publicados nas obras Profundanças 3 e Tributo aos Orixás. Contudo, independentemente de quantas publicações tiver, todas sempre far-me-ão sentir em um bosque florido.

Qual a importância de termos mulheres escrevendo e ganhando força no cenário nacional?

Mulheres foram sistematicamente apartadas da produção intelectual e literária ao longo dos séculos. Contudo, apesar do monopólio masculino sobre a escrita, sabe-se que o primeiro ser humano a escrever um romance, se tratou de uma mulher japonesa chamada Murasaki Shikibu. No Brasil, a primeira pessoa a publicar um romance se tratou igualmente de uma mulher, Maria Firmina dos Reis. Entretanto, apesar do pioneirismo feminino, a escrita ainda é considerada um território masculino, através do qual homens produzem sentido acerca da vida de mulheres. Afinal, personagens sexualizadas, estereotipadas e cujo único anseio é agradar o personagem principal, tratam-se de uma constância nas produções literárias universais. O olhar masculino sobre as mulheres na Literatura, edifica discursos que nos prejudicam socialmente. Deste modo, quando mulheres se tornam escritoras e estabelecem os seus próprios discursos a respeito de si mesmas, do mundo, da ficção, da poesia — e de todos os gêneros literários — vivenciamos uma reparação histórica a qual enriquece a literatura nacional e nos proporciona narrativas fantásticas, ricas e indiscutivelmente humanas.

+ 5 verdades sobre o consentimento

Como mulher negra, qual a principal dificuldade que você enfrenta por ser escritora em um país como o Brasil?

Se mulheres foram sistematicamente apartadas da produção intelectual e literária, mulheres negras foram duplamente apartadas. Afinal, em decorrência da afromisoginia, que se trata da dupla opressão racial e sexual infligida às mulheres negras, fomos alocadas enquanto indivíduos ignorantes e empobrecidos intelectualmente. Como a escrita se trata de um espaço de poder, tentaram continuamente nos afastar desse ofício. Afinal, estaríamos a desenvolver narrativas, transmitir conhecimento e realizar modificações neste cenário. Para além de dificuldades financeiras, pois muitas dentre nós não possuem condições econômicas para custear o processo de publicação, há questões mais complexas, como o marketing de vendas e obter a atenção de médias ou grandes editoras. Conquistar o público torna-se igualmente mais complexo.

Contudo, em minha concepção, uma das maiores dificuldades reside em fugir dos estereótipos raciais. Afinal, sendo escritoras negras, espera-se que escrevamos somente acerca de questões raciais, ancestralidade, afrofuturismo ou feminismo negro. Quando em verdade, muitas de nós estão a escrever horror, sci-fi, romances de época, suspense e poesias com temáticas diversas. Como escritoras, desejamos ser percebidas enquanto indivíduos complexos e capazes de escrever a respeito de quaisquer temáticas. Não seremos limitadas pela etnia ou pelo sexo.

+ Livros com protagonistas negras que você precisa conhecer

Quais são suas principais referências/autores favoritos?

Como uma boa ratinha de biblioteca, as minhas maiores referências literárias tendem a ser as autoras e autores clássicas e clássicos da literatura mundial. Desde a infância, sempre tivera um fascínio quase absoluto por cenários góticos, instigantes, suntuosos, dramáticos, vintage e cottagecore. Ademais, uma obsessão por mitologias, principalmente a greco-romana, que se faz presente em meus poemas continuamente. Sou uma ninfa, uma ninfa do rio! (risos).

Um de meus maiores anseios enquanto escritora, sempre será pintar estes afrescos e cenários feéricos, profundos e cintilantes através da musicalidade que brota das palavras. “Evocar imagens cintilantes” — parece-me uma boa definição para o que a minha poesia é, neste agora. Se fosse citar algumas referências, primeiramente citaria Mary Shelley e seu Frankenstein o qual li aos quatorze anos. Inspirou-me em contos, como: “A morte de si mesmo” e refinou a minha percepção a respeito da subjetividade dos personagens.

L. M. Montgomery me ensinara que a natureza poder-se-ia tornar uma pintura vigorosa, ainda que utilizasse palavras ao invés de tinta em óleo. Oscar Wilde e seu Dorian Gray fizeram-me opulenta e viciada em figuras douradas, juntamente às produções mitológicas gregas. Vladimir Nabokov, o meu favorito, fizera-me apaixonada por musicalidade rítmica nos textos em prosa. Lana del Rey deu-me a maçã dourada e Rita Santana deu-me o resto.

Rawpixel/Andreza Mona

Sobre o futuro, quais são seus planos? O que temos vindo por aí?

Ah, o futuro! Estou realmente animada para ele, sim? (risos). De momento, estou a produzir conteúdo literário em minha conta no Instagram, @yasminescritora, e a trabalhar no meu primeiro livro solo. Esta é uma experiência simplesmente divina. Tenho estado enamorada de cada um dos poemas e sinto que jamais estive tão imersa em meu próprio trabalho e em minha essência pessoal. O livro já possui um título, identidade visual e está prestes a ser finalizado. Há imensa influência mitológica e a participação de uma figura pela qual sou fascinada, Perséfone, a rainha do submundo. Há muito dela nesta obra. Escrever me torna imensa. Adoro cada uma das sensações evocadas. Ademais, tenho trabalhado em um futuro romance, já possuo esboços e personagens. Esta obra certamente exigirá muito de mim, e já estou ansiosa para isso. Tenho estado feliz e desejosa por trazer esta nova história à vida. “Eu sou Eu, escrevendo”. — Defino-me assim.

Quer deixar uma mensagem para todos os leitores e jovens escritores que te acompanham?

Vocês são tudo e todas as coisas. Não há escritora sem que haja leitoras e leitores. Não há Literatura sem que haja vossos rostinhos apaixonados e olhares vívidos sobre a folha de papel ou a tela dos leitores digitais. A vossa paixão alimenta-me até os ossos, me faz viva. Cada elogio, crítica e partilha de experiências, enriquece-me enquanto escritora e leitora. Temos imenso em comum, sim? Adoramos Literatura. Adoramos musicalidade. Adoramos ser acalentados pelas palavras. Aos jovens escritores, um brado: jamais desistam! Estudem, preparem-se, aperfeiçoem a técnica, sejam apaixonados, vívidos, criativos, dedicados — utilizem a juventude e o tempo ao vosso favor.

Sabemos que esta é uma trajetória intrépida e por vezes solitária, porém, não esqueçam-se: “a ajuda está a caminho”.

Comportamento

Confira 6 verdades que ninguém fala sobre o sexo e você precisa saber

Published

on

Confira 6 verdades que ninguém fala sobre o sexo e você precisa saber
Pexels

Sexo é um tema que a maioria das pessoas adora falar sobre, porém, ainda existem tabus acerca do assunto e alguns fatos importantes são deixados de lado. Por isso, nós da todateen fizemos uma lista com 6 verdades que ninguém fala sobre o sexo, afinal, esse momento não é feito apenas de performances e sensualidade, e muitas vezes pode resultar em situações engraçadas ou constrangedoras.

Então se liga!

5 verdades sobre relacionamentos e sexo que você precisa saber
Como o consumo de pornografia pode afetar a vida sexual e os relacionamentos?
As principais dúvidas que todo mundo tem sobre sexo

1. preliminar é muito importante

Sabe quando você sai com uma pessoa e parece que ela está com pressa de terminar as coisas rápido? Esse é um claro sinal para você nunca mais repetir o encontro. A preliminar é uma parte essencial do sexo, que inclusive ajudam a aumentar o clima e torna o orgasmo feminino mais fácil.

2. sexo não é só penetração

Vivemos em uma sociedade patriarcal que jura que nossa vida giro em torno de um pênis, mas na prática as coisas não são bem assim. Primeiro que se a concepção de sexo fosse apenas com penetração, muitas lésbicas poderiam se considerar virgem para sempre. Segundo que muitas mulheres, mesmo heterossexuais, nem sentem tanto prazer com isso. Então, vale ter criatividade e tornar outros tipos de estímulo os protagonistas do momento.

3. sexo anal também pode ser prazeroso para as mulheres

Chega de tabu! O sexo anal pode agradar muitas mulheres e a gente fala sobre isso com muitos detalhes aqui.

4. fazer xixi depois do sexo é essencial

Alô, mulheres! Depois de cada relação sexual, o ideal é fazer xixi para eliminar as bactérias do local e evitar infecção urinária.

 

5. na hora H, é muito mais importante sentir prazer do que encanar com o corpo

Sabe aquela posição que você adora mas se sente mal porque a barriga não fica tão chapada? Pode fazer sem medo! Durante a relação, o foco deve ser o prazer (e vale lembrar que todo mundo tem inseguranças, então provavelmente a pessoa com quem você está também deve estar encanada com algo).

6. é importante falar o que gosta

Tudo bem que pode dar vergonha, mas é super importante falar o que gosta ou não durante o sexo, justamente para poder aproveitar melhor o momento. Lembre-se que ninguém conhece seu corpo tão bem quanto você mesma!

Continue Reading

Comportamento

Planners: 5 motivos para você garantir o seu

Published

on

Planners: 5 motivos para você garantir o seu
Reprodução/Amazon

Se você está pensando em se organizar melhor esse ano, aposte em um planner! Com várias opções disponíveis, o item pode se tornar muito útil na hora de planejar o seu dia a dia. Pensando nisso, trouxemos 5 motivos que vão te convencer a garantir o seu:

1. Por trazerem diversos recursos de organização, os planners são grandes aliados quando o assunto é ter as informações registradas em um único lugar.

2. Além de ajudar a compor a decoração do ambiente, o produto também pode trazer uma sensação de bem-estar, já que permite anotar ideias e pensamentos importantes.

3. Com todas as tarefas e projetos anotados, o item te ajuda a visualizar tudo de maneira mais fácil, e consequentemente, pode te incentivar a não procrastinar.

4. Os planners também serão super úteis para te dar aquela ajudinha na hora de lembrar as atividades que você ainda precisa realizar.

5. Ah, e alguns modelos contam com um espaço destinado para te ajudar a controlar a sua vida financeira. Fica a dica!

E para te ajudar a escolher o seu planner, separamos algumas opções lindas que estão disponíveis na Amazon. Olha só:

Planner Wire-o Pólen, Mensal e Semanal, 75 Folhas 

Reprodução/Amazon

365 dias de bem-estar: Planner 

Reprodução/Amazon

Planner Revista Mármore Mensal Planejamento, Cicero 

Reprodução/Amazon

Bloco Planner Semanal, Be Happy, 53 Folhas 

Reprodução/Amazon

Planner Vertical, 96 Folhas Personalizadas, Signos 

Reprodução/Amazon

Planner Bloco Pólen Mensal A4, 18 folhas 

Reprodução/Amazon

Planner 2021 Teen Girl Power Black, Foroni 

Reprodução/Amazon

Planner Revista Pastel Mensal, Cicero

Reprodução/Amazon

Agenda Espiral Planner Now United, Tilibra 

Reprodução/Amazon

 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com o site da Amazon. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a TodaTeen pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/3a1r1fa

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3d11kxr

Continue Reading

Comportamento

SOS Acre: saiba como ajudar o estado que enfrenta calamidade pública

Published

on

SOS Acre: saiba como ajudar o estado que enfrenta calamidade pública
Rawpixel

Além da pandemia de coronavírus, a população do Acre tem enfrentado um aumento preocupante dos casos de dengue, bem como as consequências das enchentes, que até o momento afetaram cerca de 118 mil moradores, segundo dados apurados pela Defesa Civil. Soma-se a esse cenário uma crise humanitária envolvendo aproximadamente 300 imigrantes haitianos na fronteira do Acre com o Peru, os quais precisam urgentemente de mantimentos, roupas e recursos financeiros.

Apesar de ter apresentado uma diminuição no nível das águas durante os últimos dias, pode demorar mais do que o desejado para que o Rio Acre deixe de afetar o estado, visto que nesta quarta-feira (24) o manancial marcou 14,95 metros de altura, segundo dados da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil. Essa cheia é considerada histórica para o governo do Acre, que decretou oficialmente na segunda-feira (22) calamidade pública, direito do estado para arrecadar mais recursos da gestão federal.

+Vacinas aprovadas, e agora? Tudo o que sabemos sobre a campanha de imunização contra a Covid-19

Dezenas de famílias estão desalojadas, o sistema de saúde e outros serviços públicos se encontram sobrecarregados, principalmente as internações de UTIs, que se dividem entre casos graves de Covid-19 e dengue.

Quanto aos imigrantes do Haiti, o grupo ocupa atualmente a ponte da Integração que liga a cidade acreana de Assis Brasil com o Peru. A informação dada à imprensa pelo prefeito Jerry Correa é de que o objetivo é entrar no Peru, mobilização motivada pela perda de empregos que os haitianos tiveram desde o início da pandemia no último ano. Segundo o prefeito, esses cidadãos do Haiti vieram para o Brasil após o terremoto de 2010, mas agora buscam mudar novamente de país em busca de emprego.

Diante dessa crise humanitária, somada à atual crise causada pelo coronavírus em todo o país, diversas pessoas têm ajudado o Acre por meio de doações. Quer saber como ajudar? A todateen apurou quais sãos as principais instituições que tem sido fundamentais para auxiliar o estado. Confira!

Arquidiocese de Rio Branco

As doações têm sido realizada pela conta SOS Enchente Rio Acre. Dados bancários: Banco do Brasil, agência 0071-X, conta 100.000-4, CNPJ 14.346.589/0001-99.

Rio Branco

A cidade tem recebido doações pelas organizações: OCA, Palácio das Secretarias, Quartel da Polícia Militar, Igreja Batista do Bosque e lojas da rede de Supermercados Araújo no Tangará, Aviário, Isaura Parente e Via Chico Mendes.  Mais informações de como ajudar pelos seguintes telefones: (68) 3215-2811 ou (68) 9905-8001.

SOS Acre

As doações em dinheiro podem ser feitas por transferência ou depósito. Dados bancários: agência 2359-0, conta corrente 14.300-6 ou PIX: 63.589.899/0001-40.

SOS Acre – CUT

Para doar, basta enviar a quantia desejada pelo PIX: 020.888.102-69.

SOS Povos Indígenas do Acre e Sul do Amazonas

As doações têm sido realizadas em dinheiro pelo PIX: (68) 99612-9696.

Continue Reading
Advertisement
Combinação de Nomes

Todos os nomes possuem significados e juntos formam uma combinação única!

Digite nos campos abaixo e descubra nos mínimos detalhes.

 
Combinação de Signos

Confira a combinação de signos para todos do zodíaco

Descubra quais signos combinam no amor, sexo, trabalho e amizade. Faça quantas combinações desejar e compartilhe!

Mais Lidos

Copyright © 2020 - Website produzido por Perfil.com Ltda. Uma parceria de conteúdo Perfil Brasil e Editora Alto Astral. Este site é parceiro do UOL Entretenimento.