Connect with us

Comportamento

Exclusiva: Jenna Evans Welch, autora de “Amor & Gelato”, fala sobre seu novo lançamento e dá conselho amoroso!

Published

on

Exclusiva: Jenna Evans Welch, autora de "Amor & Gelato", fala sobre seu novo lançamento e dá conselho amoroso!
Rawpixel/Divulgação

Jenna Evans Welch sempre foi uma leitora voraz e, no auge dos seus 7 anos de idade já tinha uma certeza: iria se tornar escritora quando crescesse. Dito e feito. Com os livros Amor & Gelato e agora com seu mais novo lançamento, Amor & Sorte, publicados no Brasil pela Editora Intrínseca, Jenna entrou para a lista de best-sellers do New York Times.

Para falar mais sobre o segundo livro da série Amor &, Jenna bateu um papo com a todateen, comentando diversos aspectos não só da produção, mas da história em si. A autora também revelou quais são seus próximos passos e deu um conselho super especial para quem está com o coração partido!

+ “Parece que Piorou”: como os quadrinhos de Bruna Maia retratam comicamente os tempos atuais

Confira!

Quando você realmente decidiu que gostaria de se tornar uma escritora?

Eu consigo me lembrar de ter 7 anos de idade e já querer ser escritora. Desde que eu descobri os livros eu me apaixonei, e eu só lia e lia. Eu decidi que eu queria escrever para adolescentes quando eu tinha 11 anos. E… agora eu tenho 34 anos e quando eu era mais nova, realmente não existiam uma boa variedade de livros no mercado do gênero Young Adult [jovens adultos]. E eu lembro que eu li tudo na biblioteca das crianças e eu lembro de ficar animada para procurar os livros que eram para adolescentes. Eu queria livros que eram pra um pessoal um pouco mais velho, mas que ainda fossem divertidos e tivessem um pouquinho de relacionamentos e beijos. E eu lembro de ir pra biblioteca e tinha tipo uma prateleira. E todos os livros eram sobre líderes de torcida e eu não fiquei impressionada. Eu fiquei tão desapontada e eu lembro de falar pra minha mãe “eu vou escrever os livros que eu gostariam que estivessem lá”. E eu só fui para a seção dos adultos e comecei a ler coisas que, honestamente, eram maduras demais para mim, mas ainda assim fico feliz de ter lido todas as coisas que eu li. Mas eu estaria no céu se eu tivesse sido uma adolescente nos dias de hoje.

E de onde você tirou inspiração para escrever “Amor & Gelato”, e agora “Amor & Sorte”?

Então, “Amor & Gelato”… eu fiz o ensino médio em Florença, na Itália. Eu fui para aquela escola que eles citam no livro e eu realmente não baseei nenhum dos personagens em alguém que eu conheci em particular. Mas eu tive algumas inspirações. Exceto uma personagem e… uma ideia! Eu tinha uma amiga que morava em um cemitério americano, bem perto de Florença. E ela praticava corrida, e ela corria por entre as lápides. E eu lembro de pensar “isso é um cenário tão legal para um livro”. Então eu carreguei essa ideia comigo por um bom tempo.

+ Gay, negro e periférico: Samuel Gomes fala sobre seu novo livro, “Guardei No Armário”

E falando agora de “Amor & Sorte”. Eu soube desde o início que eu queria escrever sobre a Addie. Ela simplesmente… na verdade eu acho que nada sobre escrever “Amor & Gelato” foi fácil para mim, com exceção da Addie. Ela só apareceu e ela foi tão fácil e divertida. E eu acho que ela tem meio que essa ousadia que eu sempre desejei ter – especialmente quando adolescente. Então eu sabia que queria escrever sobre ela e… é engraçado porque eu acho que a primeira inspiração veio porque… bom, eu costumava dirigir até a casa dos meus pais e tinha esse pequeno carrinho quebrado no meu caminho. E eu costumava pensar que deveria ter uma história. E meio que se tornou na história dela e do irmão dela. No começo eu ia narrar a história se passando nos Estados Unidos, foi meu editor que sugeriu Europa de novo. E imediatamente eu soube que eu queria que fosse na Irlanda. Eu amo a Irlanda! Isso foi divertido!

Você chegou a ir para a Irlanda para escrever o livro? Fazer uma pesquisa de campo?

Sim! Na verdade eu fiz a viagem de carro mais doida de todas para fazer essa pesquisa! Eu tinha acabado de ter um bebê e minha editora tinha acabado de fazer a sugestão “e se meninas no exterior for a sua praia?”. E logo que ele disse isso eu senti esses arrepios nos meus braços e eu fiquei tipo “sim, essa é a minha praia!”. Então eu tive que descobrir como eu ia conseguir ver o máximo possível da Irlanda, sem deixar meu bebê por muito tempo. Então eu pedi para a minha melhor amiga, eu liguei pra ela e falei “você quer ir para a Irlanda comigo na semana que vem?“. E ela ficou tipo “Ah… tabom!”. Nós fizemos uma viagem de carro e a gente teve 72 horas. Começamos na costa oeste e dirigimos para a costa leste. E foi tão… foi realmente rápido. Tipo, a gente pegava o nosso guia e ele dizia algo como “passe três dias na Península de Dingle” e eu ficava tipo “nós temos três horas! vamos ver tudo!”. Então foi bem parecido com a história mesmo, eu me diverti demais conhecendo a Irlanda. É muito mágico.

Você se inspirou na sua própria viagem para narrar a da Addie?

Sim! Especialmente nas partes que falam da mãe dela, que está tendo muitas dificuldades para dirigir e fica xingando o tempo todo. Aquela fui eu a viagem toda. Minha amiga teve que assumir porque eu tava sofrendo muito de ter que dirigir no lado oposto da estrada e ainda ter que ir imaginando a história. E a gente viu tudo que está no livro.

Vocês chegaram a ver o anel de fadas?

Sim! Os anéis de fada! Eu tenho que dizer que o anel de fadas do livro eu coloquei em um lugar diferente do que realmente é. Embora tenham vários. E uma leitora entrou em contato comigo e me disse que ela achou usando o meu livro e eu fiquei tipo “Oh!”. Acho então que tinha um no lugar que eu coloquei e isso meio que me deixa arrepiada. E no anel de fadas, eu não consegui chegar até o centro dele porque estava trancado. Mas era esse lugar verde, lindo e admirável, que junto da luz do sol entrando deixou tudo muito mágico. Foi lindo.

Outro destaque é o guia de viagem “Irlanda para corações partidos”. Como foi pra você escrever o guia?

Em “Amor & Gelato” eu tinha o diário da mãe como algo que fazia a história seguir em frente e eu gostei muito de escrever daquela maneira. Então eu basicamente inventei uma forma de fazer aquilo de novo. Porque é tão importante pra mim curtir e me divertir enquanto eu escrevo. E aí eu pensei “talvez eu devesse fazer algum guia ou algo do tipo pra transmitir algumas coisas mais sérias”, e aí eu achei essa voz divertida e eu pensei… na verdade eu gostaria de lembrar de onde é que veio a ideia do coração partido, mas tudo meio que apareceu pra mim. E eu sinto que esse estilo de escrita é muito verdadeiro e está totalmente em consonância com a minha própria voz, então foi muito fácil e divertido escrever essas partes. Muitas pessoas me perguntaram se era um livro de verdade! Eu até pensei se eu não devesse escrever um pouco mais e publicar.

+ Conectadas: conheça o livro de Clara Alves que mostra as dificuldades de entender a sexualidade

Qual foi a cena que você mais gostou de escrever?

Eu acho que a cena da cerimônia da rainha Maeve. Eles chegaram no festival e os amigos dela estão construindo, engrandecendo ela, certo? E aí uma das primeiras coisas que eu escrevi dessa cena no livro foi quando a Lina está falando sobre como a Addie estava lá pra ela quando sua mãe estava morrendo. E como foi pra Addie quando ela recebeu a ligação e correu descalça pelo hospital e as enfermeiras estavam tentando pará-la. Quando eu escrevi isso eu estava chorando tanto!

Eu estava, na verdade, pensando em uma amiga minha que perdeu a mãe e em como eu me senti desamparada. Sobre o quanto eu queria ajudá-la e às vezes querendo com que ela ficasse sabendo que eu iria chegar até ela o mais rápido possível. Essa foi a cena que eu mais gostei.

E qual foi a cena mais difícil pra você escrever?

Honestamente, muito desse livro foi difícil de escrever. Eu tive muita dificuldade de descobrir como encerrar a história. Basicamente, quando o carro quebra e eles ficam meio que encalhados. Bem na parte em que o segredo da Addie vem à tona, eu tive dificuldade de entender como eu iria entregar e explicar o que tinha acontecido com ela.

Sobre a personalidade da Addie. Eu simplesmente a amo então eu queria saber o que você mais gosta nela?

Eu amo o quanto ela é ousada e eu amo o quão leal ela é. Eu acho que lealdade era a principal característica que eu queria que ela tivesse. Ela é alguém que faria qualquer coisa pelas pessoas que ela ama. E para alguém como ela, que é tão leal, o fato de ter sido traída foi terrível demais. Então eu acho que o que eu mais amo nela é a lealdade dela e o comprometimento dela com os amigos e irmãos.

Harry Potter: 7 diferenças entre os filmes e os livros

O Rowan também é um personagem incrível. E ver ele, Addie e Ian interagindo é incrível. Como foi pra você escrever essas cenas?

Eu amei escrever as cenas dos três juntos, eu amei o Rowan. Eu tinha a intenção de não tornar ele o cavaleiro da armadura reluzente para resgatar ela [Addie]. Eu acho que, você sabe… muitas pessoas acharam que ia ser muito parecido com o primeiro livro [“Amor & Gelato”] e que teria um grande romance. E eu queria que houvesse uma possibilidade de tudo isso, mas eu realmente queria que a Addie salvasse a si mesma. Sabe? Para ela perceber sua própria força interna. Então eu senti o Rowan como um bônus muito divertido. Alguém que a gente gostaria de passar tempo junto, né? Eu me diverti muito escrevendo sobre eles.

E de onde veio a ideia para a rainha Maeve? Como você entrou em contato com ela?

Antes de eu ir para a minha viagem, um amigo de um amigo, que tinha passado um tempo na Irlanda, sentou comigo e ele estava me falando sobre todos os lugares que ele mais tinha amado – a maioria deles eu nem cheguei a ir porque eles eram mais ao norte da Irlanda. E ele me falou sobre a tumba da rainha Maeve. E eu lembro de achar aquilo tão interessante! E aí quanto mais eu eu comecei a pesquisar, mais eu conseguia ver quanto ela tinha a ver com a minha personagem. Com essa veracidade e eu amo essa personagem feminina forte irlandesa e eu realmente queria deixar ela lá o máximo possível.

Como foi pra você entrar em contato com a Lina e com o Ren de novo em “Amor & Sorte”?

Foi muito legal e foi divertido eles serem mais secundários. Eu lembro de ter realmente sentido que eu tinha dito adeus à eles, quando eu acabei de escrever “Amor & Gelato”. E eu fiquei “Ok, aí vão eles! Espero que as pessoas gostem de vocês!”. Então foi legal vê-los por um momento. Eu não senti que eles eram totalmente imprescindíveis para a história enquanto eu estava escrevendo. Então eu não sei, foi tipo uma coisa muito engraçada ver como o meu foco estava em outro lugar.

Eu não consigo contar a quantidade de e-mails que eu recebi perguntando se eu ia escrever sobre eles novamente. Então eu fiquei “espero que essa aparição tenha sido suficiente”.

E qual é o seu maior objetivo com as suas histórias? O que você quer que as pessoas sintam enquanto elas leem seus livros?

Ok… essa pode ser uma metáfora engraçada. Mas é realmente o que eu penso. Eu quero que os meus livros tenham gosto de cupcake, ou seja, eu quero que eles sejam doces e divertidos e tão deliciosos que você só quer devorá-los. Mas eu também quero que eles tenham os nutrientes necessários, sabe? Então o que eu quero dizer com isso é que eu quero algo que, talvez, você curta e goste demais, mas que você também saia com algo importante.

Eu realmente me sinto honrada de estar escrevendo para adolescentes e eu levo muito a sério. Eu quero dizer a eles coisas que eu gostaria de ter ouvido na idade deles e eu quero explorar assuntos que são importantes para eles. Eu me importo muito em explorar dinâmicas familiares e eu acho que, especialmente nessa idade, em que os meus personagens têm entre 16 e 17 anos, é quando os jovens estão começando a tentar entender quem eles querem ser. E perceber que eles têm o controle de suas próprias vidas. E eu acho que isso é um momento tão importante para as pessoas, então eu quero minhas histórias sejam divertidas e quero que eles saiam dela levando algo que possa ajudá-los.

+ Exclusiva: em novo livro, Thalita Rebouças conta a história de sua vida: “Perdi a timidez”

Se você pudesse dar um conselho para alguém que está de coração partido, o que você diria?

Essa é uma pergunta ótima! Eu acho que a última entrada do último capítulo de “Amor & Sorte” é realmente o meu conselho. Resumindo ele, basicamente, nós somos feitos para termos os nossos corações partidos. E eu não quero soar piegas ou clichê, mas vale a pena se arriscar para amar e ser amado. Vale a pena tentar se conectar com as pessoas e a gente vai se machucar, mas a outra opção é nunca se abrir. E isso, ao meu ver, é mais dolorido. E eu acho que cada uma dessas dores vão moldar você para que se torne quem você quer ser.

Você gostaria de ver seus filmes nas telonas?

Sim! Eu só estou dizendo sim para essa pergunta para que o universo saiba que eu estou preparada. Estou preparada! Eu acho que seria tão legal e divertido, e só de pensar em ver minhas personagens e assisti-las, me dá arrepios todas as vezes que eu penso nisso! Eu acho que eles fariam séries ou filmes muito legais!

E, sobre o futuro! Você já tem mais coisas vindo por aí? Quais são os seus planos?

Eu até estou com o meu quadro aqui exposto porque eu estou divulgando isso bastante aqui [nos Estados Unidos]. “Love & Olives” [o 3º livro da série “Love And”, ainda sem nome em português] vai ser lançado no mês que vem nos EUA e é o terceiro e final livro da trilogia. E acabou de ser comprado no Brasil! Então… eu ainda não tenho nenhuma data oficial acho que eu ainda terei mais informação, mas imagino que talvez daqui um ano ele esteja disponível aí. E vai ser incrível.

Além disso, eu estou trabalhando em algo fora da trilogia “Love And” e é um livro único. Ou pelo eu acho que é um livro único. Eu achei que “Amor & Gelato” ia ser um livro único também, então quem sabe. Mas é bem diferente desses três últimos livros e eu estou me divertindo muito escrevendo.

Quer deixar um recadinho para os seus fãs brasileiros?

Eu amo meus fãs brasileiros! Eu amo o entusiasmo deles! Eu fico tão animada com a ideia de todos esses leitores em um lugar que eu nunca tive a oportunidade de ir. Espero que eu possa visitar algum dia!


Os livros Amor & Gelato e Amor & Sorte podem ser adquiridos na Amazon e no site oficial da Intrínseca.

Beleza

“Plastic Hearts”: nova era de Miley Cyrus mescla moda punk dos anos 80 e emancipação feminina

Published

on

"Plastic Hearts": nova era de Miley Cyrus mescla moda punk dos anos 80 e emancipação feminina
Divulgação / Rawpixel

Nesta sexta-feira (27), Miley Cyrus marca presença com seu novo álbum, “Plastic Hearts“. Com letras que são um “basta” em anos de manchetes sobre seus relacionamentos, a eterna Hannah Montana cancelou os planos de lançar os EPs que completariam o lançamento de “She Is Coming”, após um incêndio em sua casa e muito fogo na imprensa sobre sua vida amorosa. “Plastic Hearts” é, de fato, uma nova era para a cantora, que usou o punk rock como estética central para seu novo eu, na moda e na música.

+ PRÊMIO TODATEEN 2020: Veja a lista completa dos indicados e indicadas!

todateen conversou com Suzana Elias Azar (@suzanices), jornalista com especialização em moda e estilo de vida que representa o Fashion Revolution (@fash_rev_brasil) na cidade de Santos. Em nosso papo, exploramos com profundidade o punk da diva Pop, que possui em “Plastic Hearts” colaborações com Joan Jett, Stevie Nicks e homenagem à Cherry Curry, mulheres que marcaram presença nos anos 1980.

todateen: A maquiagem de Miley Cyrus nessa era de “Plastic Hearts”, especialmente nos clipes de “Midnight Sky” e “Prisoner”, possui referência de que década?

Suzana Elias Azar: A referência é da maquiagem dos anos 80, em uma pegada glam rock. O batom vermelho é um dos ícones das makes glamourosas dos anos 80 e Miley já adotou batom vermelho há tempos, meio como uma marca pessoal. Nas imagens divulgadas de “Midnight Sky” a combinação do batom vermelho com a sombra roxa com brilho é uma grande referência as makes dos anos 80. Essa mescla choca em um primeiro momento, afinal vermelho com roxo não combinam imediatamente, mas a make fica original e bonita, transmite personalidade.

tt: Como essa maquiagem reflete a moda que era tendência nessa década?

S: Os anos 80 trouxeram muitas tendências que depois chegaram a ser vistas como “horrorosas”, mas que de repente ressurgem repaginadas, como mangas bufantes, ombreiras, mistura de cores fortes, saia balone, leggings em tecidos com efeito brilhante, entre outras. Foi uma década de moda espalhafatosa, exagerada e as maquiagens coloridas refletem perfeitamente isso. A ideia geral era não passar despercebido, o lance era marcar presença, chamar a atenção.

No caso do estilo glam rock e punk, tínhamos mais do que uma tendência de moda. Havia uma atitude que unia tudo, incluindo um estilo específico de roupas, acessórios, maquiagem, cabelo que rompiam com os padrões. A make utilizada por Miley Cyrus traz toda essa atmosfera da época, das bandas de rock – sabia que o primeiro Rock in Rio aconteceu em 1985? – e de punk dos anos 80. Não a toa que uma das estilistas que desenvolveu vestidos para Miley Cyrus para “Plastic Hearts” é Vivienne Westwood, uma das responsáveis pela estética punk e a ascensão da banda Sex Pistols.

tt: “Plastic Hearts” possui um feat com Joan Jett, um remix com Stevie Nicks e homenagem à Cherry Currie no clipe de “Prisoner”. Existe relação entre essas colaborações no álbum e o estilo punk?

S: Sem dúvidas! Joan Jett e Cherry Currie tocavam na “The Runaways”, uma Riot Band (banda formada só por mulheres). Quebraram padrões, lutaram contra o machismo na música e no mundo do rock. Joan Jett conheceu e conviveu com integrantes do Sex Pistols, então também participou dessa estética punk. Stevie Nicks cantava na banda Fleetwood Mac e depois em carreira solo. Já foi citada pela revista Rolling Stones entre os 100 maiores cantores de todos os tempos. São mulheres que não tiveram medo de desbravar o universo do rock, sem medo de encarar de frente o machismo.

tt: O corte mullet também entra nessa onda? Qual outro estilo de cabelo fazia sucesso?

S: O controverso corte mullet era quase unanimidade nos anos 80, principalmente entre músicos. Aqui no Brasil Chitãozinho e Xororó adotaram também, fizeram o maior sucesso! Além do mullet, nos anos 80 os cabelos volumosos eram tendência, franjas em cabelo cacheados, cortes repicados, cabelos com permanente (para dar volume), entre outros.

tt: O batom vermelho, sombras metálicas e predominância do preto na maquiagem, nessa era de Miley e nos anos 1980, dizem algo sobre a evolução do feminismo?

S: O batom vermelho é clássico, empodera as mulheres e simboliza sensualidade. Tanto esse tom nos lábios quanto as sombras metálicas e a predominância do preto transmitem o poder da mulher, que ousa usar uma maquiagem que chama atenção e foge do básico. De certa forma, pode refletir sobre a evolução do feminismo e o “meu corpo, minhas regras”, ao mostrar uma mulher que não tem medo de brilhar.

tt: Acredita que esse estilo punk é uma forma de rompimento com os padrões estéticos esperados em uma mulher?

S: O movimento punk e seu estilo rompem padrões estéticos e comportamentais. Quando o punk surgiu (na segunda metade dos anos 70, na Inglaterra) era um movimento jovem que mostrava o descontentamento com a sociedade no geral. Totalmente underground, com ideias anarquistas, revolucionárias, o lema era: No Future! A Inglaterra sofria com uma crise econômica e falta de empregos para jovens.

O princípio básico do punk é quebrar regras. No início não se preocupavam com a moda em si, pelo contrário, faziam questão de vestir trajes que afrontassem a noção da moda padronizadora e classista. Como não tinham trabalho, vestiam peças customizadas, camisetas “podrinhas”, peças de brechó, etc. Com Vivienne Westwood e Malcolm McLaren (na época formavam um casal) que o punk entra na moda e une de forma perfeita moda e música. Malcolm era o empresário da banda Sex Pistols e sua mulher, Vivienne Westwood, tinha uma loja alternativa em Londres que vendia peças fetichistas, muito couro, borracha, jeans destroyed, correntes, spikes.

As bandas punks começaram a vestir peças de Vivienne Westwood (que continua na ativa como estilista até hoje, sempre rompendo padrões). Ela foi criando a estética punk como moda. Se os looks masculinos podrinhos e agressivos (tachas, corrented e spikes em profusão) chocavam as classes média e alta, imagina os looks femininos, que também traziam peças fetichistas? Era uma afronta para os padrões vigentes.

tt: O retorno dessa era rock e empoderada, especialmente sob influência de Miley Cyrus – uma figura que preza pela liberdade e foge de manchetes sobre seus relacionamentos – diz algo sobre a evolução da emancipação feminina ao longo da história da moda?

S: Sim! Ao longo da história da moda temos momentos mais marcantes para emancipação feminina, para a liberdade da mulher ser quem quiser ser, vestir o que quiser, da forma que desejar e o rock e música no geral caminham lado a lado com essa pegada. Até hoje Madonna é referência de estilo, Cindy Lauper (que brilhava muito nos anos 80 e influenciou a moda da época), entre tantas outras.

Atualmente a mulher continua sendo extremamente julgada pelas suas roupas e por seu corpo. Chegou o momento de mulheres do showbiz, da música, novamente mostrarem que mulheres podem vestir o que quiserem, podem mostrar o corpo da maneira que desejarem, pois o corpo é de cada uma delas. A moda é uma grande expressão do “espírito do tempo” e em momento de crise é fundamental trazer a questão da mulher e seu corpo para as tendências.

ATENÇÃO: Você já votou em Miley Cyrus no PRÊMIO TODATEEN 2020? A cantora foi indicada nas categorias de “Hit Internacional” e “Melhor Cantora Internacional“. Deixe seu voto registrado!

Continue Reading

Celebs

5 looks estilosos de Any Gabrielly pra você se inspirar

Published

on

5 looks estilosos de Any Gabrielly pra você se inspirar
Rawpixel/Divulgação

Com apenas 18 anos, Any Gabrielly já é considerada um ícone fashion!

A integrante do Now United foi um dos nomes que marcou presença na última edição da São Paulo Fashion Week, que aconteceu de maneira online no início de novembro. A cantora participou através de uma live, onde falou sobre sua relação com a moda.

+ Liberdade e poder: a moda política de Kamala Harris

“Eu definitivamente quero mostrar para as pessoas que todo mundo tem  o seu lugar, todo mundo tem o seu propósito e cada um traz pra esse mundo uma coisa especial”, disse ela.

+ PRÊMIO TODATEEN 2020: Veja a lista completa dos indicados e indicadas!

Abaixo, a todateen separou cinco looks super estilosos pra vocês se inspirarem!

1) inspirações tropicais e mangas bufantes, de vitor zerbinato, para o MPN

Any arrasou como uma das apresentadoras do Meus Prêmios Nick 2020, que aconteceu no final de setembro! Para a ocasião especial, a cantora escolheu, junto a seu stylist Caio Gobbi, um vestido do estilista brasileiro Vitor Zerbinato, da coleção SS21.

Divulgação

A peça leva uma estampa tropical inspirada em tucanos e folhagens mega brasileiras, contando com uma faixa na cintura e mangas bufantes que estão super em alta! “Um detalhe que me chamou atenção e que eu achei que fez toda a diferença foi a modelagem nas mangas, que são amplas com pregas, bem volumoso.”, falou Caio.

2) tubinho preto, do tufi duek, e clutch da yves saint laurent, para a festa de lançamento do perfume YSL

O evento de lançamento do novo perfume da YSL, que também aconteceu virtualmente, contou com um look maravilhoso de Any!

Divulgação

“O look inteiro foi composto por uma junção de peças Saint Laurent vintage garimpadas, com um vestido de base de couro. O grande desafio foi conseguir transmitir a estética de uma marca sexy e uma inspiração atemporal! Tubinho preto sempre está em alta!”, explicou o stylist da artista.

3) animal print, corrente de elos e óculos da gucci, para o #DezoitAny

Em 2020 a nossa diva completou 18 anos e não deixou a desejar nos modelitos que usou! No “DezoitAny”, vídeo em formato de documentário em que a cantora falou sobre sua trajetória, a artista, em sua primeira fase, usou um look incrível inspirado no musical da Broadway Rei Leão!

Divulgação

“Montamos essa composição com animal print, que está super em alta e funcionava muito bem com nossa inspiração. Para montar o look e deixar ele ainda mais estiloso, combinamos com uma corrente de elos e um óculos de strass da Gucci”, contou Caio.

4) sobreposição de camiseta e vestido em camadas, de eduarda galvani atelier, para o #DezoitAny

Juntando uma camiseta  e um vestido mais moderno, com camadas e transparência, segundo o stylist da cantora, a ideia foi trazer uma princesa moderna, inspirada no The Goonies.

Divulgação

“As camadas de tule na cor vinho do vestido deram um toque especial para o resultado final. Foi exatamente o efeito que nós queríamos.”, disse Caio.

5) look preto e branco, com bustier recortado, de vitor zerbinato, e saia em camadas, para o #DezoitAny

Para o momento final do vídeo, Any usou um look inspirado em um smoking preto e branco.

Divulgação

“A ideia era trazer o conceito de um smoking pós moderno, com recortes e muitas camadas. É uma versão moderna e mais princesa do clássico preto e branco. […] É a prova de que dá para construir uma composição moderna com uma inspiração tradicional”, falou Caio.

Qual seu look favorito da Any?

Continue Reading

Comportamento

Livros e solidariedade: conheça o projeto “Litera Natal”

Published

on

Livros e solidariedade: conheça o projeto "Litera Natal"
Divulgação

O Natal já está quase chegando e, traz consigo diversos sentimentos de nostalgia, principalmente com o momento histórico que estamos vivendo com a pandemia do novo coronavírus. Pensando nisso, Roberta Gurriti (@thegurriti) chamou Letícia Nogara (@teawithleticia), Júlia Degaspari (@magadaspaginas) e Annie Gauer (@queriaseralice) para trazerem mais alegria para a época mais feliz do ano com o projeto Litera Natal.

Tiago Valente (@otiagovalente), Dear Maidy (@dearmaidy) e Mari (@sonhodeestante) se juntam para trazer mais alegria para a época mais feliz do ano com o projeto Litera Natal.

+ Exclusiva: Mick Kitson conta tudo sobre seu livro de estreia, “O Refúgio”
+ Exclusiva: Jenna Evans Welch, autora de “Amor & Gelato”, fala sobre seu novo lançamento e dá conselho amoroso!

Junto de Tiago Valente (@otiagovalente), Dear Maidy (@dearmaidy) e Mari (@sonhodeestante), convidados do projeto, o intuito é fazer uma leitura coletiva de quatro contos do livro O Presente do meu Grande Amor​, publicado pela Editora Intrínseca – que irá doar alguns ebooks da obra para sortear entre os participantes que não tiverem o livro -, os organizadores também farão um “cinema em casa” para assistir, de forma online, a um filme natalino depois de cada conto concluído. Além disso, acontecerão debates em grupo exclusivo, sprints de leituras, chamadas de vídeo e sorteios!

“O Natal é uma época muito especial pra mim desde muito pequena”, revelou Roberta, uma das responsáveis pelo projeto. “Sempre tive toda a minha — enorme — família junta para comemorar. Mas esse ano perdi meus dois avós, então, pela primeira vez desde que nasci, ele não será o mesmo. E eu não quero ficar triste sabe? O Natal sempre teve muito significado pra mim. Daí, esse ano eu imaginei que muita gente pode estar sem motivação para continuar, para ser feliz e grato no Natal, então me perguntei como poderia ajudar.”, contou ela.

O Litera Natal terá o apoio do Leitura para todos SP para começar uma mobilização de doação de livros, em que os moradores paulistas poderão participar. A ideia é que, em 2021, consigam cada vez mais projetos e organizações, para expandir cada vez mais.

+ Indicações de livros com @thegurriti

Lembrando que, para aqueles que desejam doar 40 livros ou mais, a equipe do Leitura para todos SP retirará as doações na sua própria residência. E para que eles fizerem isso, é necessário uma ligação para comunicar sua doação. Eles retiram em toda cidade de São Paulo e região do ABC. Ligue para o número: (11) 94878-4680.

Caso sua doação seja inferior a 40 livros, é necessário levar sua doação na sede: Rua Sargento Iguatemi Azevedo, 228, Bairro Vila São Francisco e ligar antes – no mesmo número acima – para marcar um horário, tendo em vista a necessidade de que seja um processo seguro por conta do coronavírus.

Com vagas limitadas, o Litera Natal terá início no dia 1/12 e terminará no dia 23/12. Para se inscrever, confira o link no perfil do Instagram The Gurriti.


Confira também as indicações do Cantinho Literário Todateen de novembro!

Continue Reading
Advertisement
Combinação de Nomes

Todos os nomes possuem significados e juntos formam uma combinação única!

Digite nos campos abaixo e descubra nos mínimos detalhes.

 
Combinação de Signos

Confira a combinação de signos para todos do zodíaco

Descubra quais signos combinam no amor, sexo, trabalho e amizade. Faça quantas combinações desejar e compartilhe!

Mais Lidos

Copyright © 2020 - Website produzido por Perfil.com Ltda. Uma parceria de conteúdo Perfil Brasil e Editora Alto Astral. Este site é parceiro do UOL Entretenimento.