Connect with us

Música

Um pouco mais de NX Zero

NX Zero: Um pouco mais do bate-papo que rolou com os caras!

Published

on

Qual foi seu maior momento de consumismo?
Caco: Com instrumentos musicais! Ninguém mais vai na Theodoro Sampaio comigo. Quando eu e o Diego fomos para os Estados Unidos, a coisa que eu mais queria fazer era visitar as lojas. O diego falou ‘desculpa, cara. Eu não vou, vai sozinho. Eu fiquei quatro horas em uma loja só olhando, pesquisando… Sou um perigo! (risos). Eu trabalhei um tempo em loja desse tipo, então eu adoro.
Di: Por enquanto eu tô gastando meu dinheiro com coisas que eu vou usar no futuro. A minha casa, aí dentro da minha casa sim, eu tô comprando umas coisinhas bem legais pra mim, pra lazer mesmo.

Você vai morar sozinho?

Di: É! Eu tô indo morar sozinho, então esse já foi o meu maior gasto. Mas aí tem sempre uma coisinha que escapa… Esses dias eu comprei um quadro do Elvis que piscava. Muito louco! Tem a polícia parando ele, aí fica com a sirene piscando. Depois eu fui pensar e achei que tinha pagado caro demais. Mas é pra minha casa, vai!

NX Zero

Teve alguma fofoca sem noção que já espalharam sobre vocês?
Di: Acho que fofoca de inventar e aumentar as coisas. Eu tinha muito problema antes, tem gente que, só de nos conhecer, já inventa coisas. Pessoas que entram no camarim e já falam, ‘ah, eu fiquei com ele’. Aí um monte de fã nossa acredita nisso, é mó chato! Ainda mais agora que todo mundo na banda namora, isso pega muito mal!
Gee: Acho que foi uma mentira que rolou na internet que o nosso avião caiu! Minha mãe, os pais de todo mundo ficaram ligando. Imagine o susto deles! Eu não lembro direito, mas essa foi a pior!
Dani: Acho que essas de começo de banda, que a gente acabou tirando um sarro, sabe? O povo adorava falar que a gente era só supostamente cinco moleques bonitinhos que não iam durar muito… Aí fica essas coisas de banda montada. É uma fofoca que a gente fez até questão de tirar um sarro, falando ‘ah, o Rick Bonadio manda a gente todo dia na academia, no cabeleireiro’. A gente quer mostrar que se a gente nasceu bonito ou não, é culpa ou não dos nossos pais e que dentro da nossa casca, existe uma música sincera.
Caco: Tem sempre essas de namoro… Quando o Diego começou com a Mari, se o Gee terminou, se o Dani tá bem com a mulher dele. Isso rola o dia inteiro. Aí chegam umas meninas pedindo pra gente mandar beijo para as nossas namoradas, elas viraram personalidade também. È como se as nossas namoradas fossem um espelho para algumas fãs.

Nem faz muito tempo, vocês se inspiravam em várias bandas. Agora vocês são a inspiração pra galera que tá começando… Como é isso?

Di: Isso aí é a maior doideira mesmo! Eu tento nem pensar muito nisso, senão, não é que eu vou enlouquecer, mas vou começar a mudar meu jeito de fazer as coisas em função disso.  Aí nada fica muito natural, sabe? Muita gente vai ouvir e querer ter uma banda por causa disso, principalmente se a parada for boa e sincera mesmo. Muito moleque começa a tocar por causa da gente. Isso a gente vê nos shows, tem moleque que vem dizer que tem banda por causa de nós, tem gente que chega e fala ‘pô, toco guitarra por sua causa!’. Na verdade, isso serve para a gente continuar, é sinal que, pô, tá dando certo, tá mexendo com as pessoas.
Caco: É engraçado, porque parece que, pra virar referência, tem que ter muita estrada ainda. Mas a gente vê essa galerinha mais nova se espelhando no jeito como a gente começou. É bom ter passado isso pra essa galera, porque a gente foi muito persistente. Agora é legal que as gravadoras estão muuuito mais de olho no underground paulistano e no carioca também. Então, taí a oportunidade. Quem fizer um trabalho legal vai ser mais fácil de se destacar.

NX Zero


Vocês já fizeram várias parcerias, tocaram ao lado de várias bandas… Tem alguma banda gringa com a qual vocês queiram muito trabalhar?

Dani: Foo Fighters!
Fi: Uma banda que veio ultimamente, Face To Face, é uma das bandas que eu mais gosto. Se não é a banda de que eu mais gosto. Uma banda que eu nunca imaginei ver um show aqui no Brasil e eu já vi duas vezes. A banda tinha acabado e voltou! E eu fiquei me imaginando dividindo o palco com eles. Ou só fazer um som junto, essas coisas.
Gee: Teve uma banda com quem a gente dividiu o palco esses tempos, o The Used e foi muito irado, eu conheci os caras. Mas tem várias também. Acho que se eu pudesse estar perto do AC/DC, perto do Angus, eu ia ficar muito feliz.
Caco: Acho que com o Aerosmith! Eu curto muito. O primeiro som de rock que eu comecei a ouvir foi o Led Zepellin, mas a banda não existe mais. Aí eu passei por Faith No More, Alice In Chains, Pearl Jam, mas o som que me fez pirar mesmo foi o Aerosmith, foi aí que me deu vontade de correr atrás de saber mais, ouvir a discografia e essas coisas.
Di: Eu sempre sonhei em fazer parceria com o Incubus e com o Foo Fighters também. A gente tocou com o The Used e foi muito legal porque a gente ama!

NX ZeroNX ZeroNX ZeroNX ZeroNX ZeroNX ZeroNX ZeroNX ZeroNX Zero

Texto e entrevista: Mariana Scherma
Fotos: Luciano Munhoz/colaborador

Advertisement
459 Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Ex-Now United, Diarra Sylla comemora início da carreira solo, promete show virtual e manda recado para o Brasil

Published

on

Entrevista: Diarra Sylla fala sobre primeiro single da carreira solo, "Set Free", e dá spoilers de álbum em produção
Divulgação

Diarra Sylla conquistou uma quantidade enorme de fãs em todo o mundo quando foi apresentada como a integrante francesa-senegalesa do grupo global Now United. No último ano, os rumores de que a cantora e dançarina estava encerrando suas atividades com o grupo foram confirmadas, já que havia decidido se lançar em uma carreira solo. Muitas suposições estavam sendo feitas desde então, até que, nesta quinta-feira (25), a artista lança seu primeiro single, Set Free.

Com uma letra marcante e especial para fevereiro, quando é celebrado o Black History Month, mês da cultura negra em tradução literal, Set Free traz também um clipe repleto de referências históricas, dirigido por Meagan Good.

+ Teste: qual membro do Now United você é?
+ Vídeo: desafiamos o Now United no Jogo da Mímica!

A todateen entrevistou com exclusividade Diarra, que conta detalhes especiais sobre o single, alguns spoilers sobre o álbum que será lançado, e é claro, seu carinho pelos fãs brasileiros.

Confira!

todateen: O seu primeiro álbum solo será 100% pop ou podemos esperar outros estilos?

Diarra: Minha música não será 100% pop, será bem diversa, estou inserindo diferentes referências de letras, estilos musicais, culturas e tradições. Haverá afrobeat, eventualmente uma sonoridade que lembra o funk, meus fãs brasileiros poderão se identificar, e claro que terei algumas canções mais lentas com R&B, por exemplo, mas com toda certeza haverão mais músicas perfeitas para dançar do que qualquer coisa!

tt: Qual a maior diferença entre esse projeto e o que você contribuiu com o Now United? Existe um novo conceito dentro do seu trabalho musical?

D: Há uma grande diferença, porque no Now United eu estava gravando a música de outras pessoas, que escreveram e nos deram aquelas canções. Não havia relação profunda comigo, então quando se trata da minha música, estou cantando sobre coisas que aconteceram comigo, coisas que acontecem na vida real e irão inspirar as pessoas a mudarem e fazer o melhor, mas que ao mesmo tempo possuem aquela “vibe” e fazem as pessoas quererem dançar.

tt: “Set Free” é forte e traz essa mensagem importante para o Mês da História Negra. Você acha que essas letras intensas serão a marca da sua carreira?

D: “Set Free” foi feita por conta de tudo que tem ocorrido, especialmente em junho, com a marcha para George Floyd, assim como as múltiplas situações que se deram antes disso. Essa canção é especialmente relacionada a tudo que está acontecendo, foi uma forma de “colocar para fora” tudo que estava sentindo, assim como Meagan [Good] e todo o time envolvido no clipe. A gente quis enfatizar a luta, falar para as pessoas temos que nos posicionar e que não está tudo bem tudo isso ainda acontecer, é 2021. Não quero dizer que esse meu tipo de trabalho foi feito apenas para essa canção, mas quero falar que “Set Free” é uma declaração. É uma boa causa, eu faria isso quantas vezes fosse preciso.

tt: “Set Free” é sua primeira música solo, então podemos dizer que também se trata de fazer música do seu jeito?

D: Em “Set Free” eu recebi a ajuda de outro compositor, Kes Kross, assim como Riley Urick, então essa canção foi na verdade um trabalho de equipe. Todos investiram na canção e no clipe, foi um esforço coletivo.

tt: Como foi criar seu primeiro videoclipe solo?

D: Foi bem divertido e estressante! Muitas coisas estavam acontecendo, mas no final, tudo valeu a pena. O processo de gravar algumas cenas foi bem emocionante também, porque percebemos que “caramba, é isso que as pessoas passam, essa é a vida real”, então você está ali, encenando, para fazer as pessoas perceberem o que está acontecendo. Foi muito intenso. Lembro que estava na rua, correndo, quando a cena que as pessoas brancas atiram aconteceu, fizemos isso para o vídeo e logo depois eu comecei a chorar, Meagan também estava chorando, a gente começou a se abraçar enquanto chorava porque foi muito intenso.

tt: Você pode nos contar mais alguma coisa especial sobre o videoclipe? 

D: Eu diria que assim como a cena que lhe contei, existem várias que foram muito importantes para mim, que me inspiraram. O fato é que trabalhar com Meagan Good foi especial, ela é inspiradora, inteligente, bonita, ela é maravilhosa.

tt: Qual foi a parte mais desafiadora de fazer um álbum solo?

D: Eu ainda não terminei de fazer o álbum, por enquanto será só esse single, mas mal posso esperar para que os fãs escutem a música!

tt: Há rumores de que seu novo álbum terá colaborações, incluindo uma cantora brasileira. O que você pode nos contar sobre isso?

D: Vou dizer que rumores são rumores, vamos ver [risos]. Não posso falar muito sobre colaborações no momento, porque quero ver os fãs animados, tem sido um período muito longo de silêncio trabalhando em várias músicas e coisas extras, que por enquanto ainda não posso revelar. Mas, assim que tudo estiver pronto, prometo que eles vão enlouquecer porque vão ficar muito animados.

tt: Podemos esperar coreografias perfeitas para o TikTok em seus videoclipes?

D: Claro! TikTok é muito importante, todo mundo está falando sobre, todo mundo quer estar no TikTok, mães, pais, primos, crianças… Então com toda certeza, vamos ter algumas danças para TikTok e tudo mais!

tt: Podemos esperar um show virtual com suas novas músicas?

D: Com toda certeza! O mundo está diferente então, programas de TV, shows, tudo está acontecendo dessa forma, então definitivamente vou trabalhar em um show virtual para meus fãs.

tt: Você sabe que tem muitos fãs no Brasil, certo?

D: Acredito que sim!

tt: Há planos de vir ao Brasil depois da pandemia?

D: Definitivamente, eu amo o Brasil, não paro de falar disso, estou sempre falando com meus fãs no Brasil pelo Instagram, sempre tento responder. Há muitas mensagens, não vou mentir, mas estou sempre fazendo o possível para conseguir engajar com eles no Instagram e no Twitter. Então com toda certeza, assim que for possível, que essa situação de pandemia estiver controlada, vou ao Brasil, porque muitas coisas minhas estão acontecendo por aí!

tt: Qual é a sua mensagem para os fãs brasileiros?

D: Eu diria para vocês serem vocês mesmos, é o maior poder que você possui, não tente ser outra pessoa e ignore os haters. Na maioria das vezes, meus fãs do Brasil vêm até mim para tentar conversar sobre situações que estão acontecendo na vida deles que estão balançando a autoestima, como bullying. Sempre digo para eles continuarem sendo exatamente quem são, para não ligar para os haters, porque o mais importante é confiar em si mesmo. Don’t give a f!

Continue Reading

Entretenimento

Buddy Poke, Orochi, PK e Xamã se juntam em “Fiquei Rico Cedo”

Published

on

Buddy Poke, Orochi, PK e Xamã se juntam em "Fiquei Rico Cedo"
Divulgação

Mesmo que você não seja um fã assíduo de rap, já ouviu falar de Buddy PokeOrochi, PK e Xamã, artistas deste gênero que têm se destacado, principalmente pela estratégia de realizar parcerias com artistas de outros estilos musicais, o que acaba expandindo o alcance de seus projetos. Agora, os quatro rappers se somaram na canção “Fiquei Rico Cedo“, faixa divulgada nesta quinta-feira (25) com videoclipe.

A música possui um significado potente, já que os quatro artistas são conhecidos de longa data, quando começaram a carreira nas batalhas da roda cultural de São Gonçalo, Rio de Janeiro. “Fique Rico Cedo” é a primeira amostra de um projeto que envolve essas quatro revelações do rap e já está disponível em todas as plataformas, com clipe no YouTube.

“Essa é a primeira faixa de um projeto colaborativo em que traremos as superações e adversidades da época em que rimávamos nas batalhas até o atual momento em que movimentamos milhares de pessoas por todo o Brasil”, explica PK em comunicado à imprensa.

Vem ver:

“Essa música é muito especial pelo fato de reunir os mcs que faziam parte da Batalha do Tanque naquela época em que viver de música era só um sonho quase impossível”, disse Buddy Poke em comunicado à imprensa. “A Batalha do Tanque foi a nossa maior escola. Ali a gente se conheceu, aprendeu a malandragem das ruas e sonhou em ser artista junto”, completa Xamã.

Continue Reading

Entretenimento

SHINee está de volta! Confira tudo sobre o novo álbum “Don’t Call Me”

Published

on

SHINee está de volta! Confira tudo sobre o novo álbum "Don’t Call Me"
Divulgação

Eles estão de volta! Onew, Key, Minho e Taemin lançam nesta sexta-feira (26) o sétimo álbum da carreira, “Don’t Call Me“. Com nove faixas, o disco do SHINee marca o retorno oficial após três anos sem músicas novas, principalmente devido ao fato de os quatro sul-coreanos terem precisado se afastar da música para cumprir serviço militar obrigatório.

A sonoridade forte combinada com uma vibe apocalíptica deu o tom do projeto, que renderá muitas coreografias, afinal, pela primeira o grupo usou referências do hip-hop. Para completar, a faixa-título veio acompanhada de um videoclipe, vem ver:

Atualmente, o SHINee já conseguiu inserir “Don’t Call Me” em primeiro lugar no iTunes dos Estados Unidos. Ao todo, são 35 países em primeiro lugar: Estados Unidos, Austrália, Áustria, Bahrain, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Finlândia, Hong Kong, Índia, Indonésia, Itália, Japão, Laos, Macau, Malásia, México, Nova Zelândia, Noruega, Peru, Filipinas, Polônia, Rússia, Arábia Saudita, Singapura, Eslováquia, Espanha, Suécia, Taiwan, Tailândia, Turquia, Emirados Árabes Unidos e Vietnã.

Confira o álbum completo:

Continue Reading
Advertisement
Combinação de Nomes

Todos os nomes possuem significados e juntos formam uma combinação única!

Digite nos campos abaixo e descubra nos mínimos detalhes.

 
Combinação de Signos

Confira a combinação de signos para todos do zodíaco

Descubra quais signos combinam no amor, sexo, trabalho e amizade. Faça quantas combinações desejar e compartilhe!

Mais Lidos

Copyright © 2020 - Website produzido por Perfil.com Ltda. Uma parceria de conteúdo Perfil Brasil e Editora Alto Astral. Este site é parceiro do UOL Entretenimento.